O Guia da Lamentabilidade

Viajando diariamente pela Internet, estamos expostos ao mais insanos níveis de decadência e vergonha alheia que, de uma maneira ou outra, chegam até nós; seja por um compartilhamento no Facebook, um link em um blog que gostamos, um comentário no YouTube, diversas aberrações que habitam as profundezas na Internet chegam aos nossos olhos e nós ficamos que nem múmias na frente do computador, enquanto nosso cérebro escorre pelos ouvidos. Desse tipo de experiência uma palavra começou a ecoar em meus pensamentos: Lamentabilidade. Passei a usar o termo particularmente em meus pensamentos até que, um dia, meu amigo conspirador Diego “Center” Castillo utilizou o termo LAMENTABILIDADE (no caps lock mesmo) em um comentário na rede social. Foi quando eu percebi: a ciência da Lamentabilidade estava populando o Inconsciente Coletivo aos poucos. A partir deste fato, me animei pra usar o termo abertamente e passei a dedicar algumas horas diárias para sistematizar o estudo e o uso da Lamentabilidade como ferramenta divinatória (a arte de divinar consiste em obter informações inacessíveis por meios tradicionais), uma espécie de Tarot da vergonha alheia.

Tudo isso será explicado em detalhes a seguir, neste tratado que, esperamos, dê frutos a outros estudos e práticas, conduzindo a antiga arte da Lamentabilidade ao patamar que merece.

O que é Lamentabilidade

É a Arte e Ciência de calcular as chances de um evento apresentar desdobramentos lamentáveis para participantes e/ou observadores. (fonte: House of Lies)

A definição acadêmica não está muito boa ainda mas basicamente é um conjunto de reflexões, perguntas e ponderações, que visam unicamente prever de forma objetiva o risco de um evento ser ou dar em merda.

Ao contrário do que possa parecer, o cálculo da Lamentabilidade é uma arte antiga; os grandes representantes da arte de detectar ou até mesmo antecipar altos índices de Lamentabilidade foram pessoas como Sócrates (nem protestou ao tomar veneno, já que estava saturado da Lamentabilidade que o rodeava), Jesus Cristo (“perdõe-os Pai, eles não sabem o que fazem“) e Nietzsche (morreu considerado insano, porém o tempo não tardou a provar que este homem estava correto, podemos dizer que ele foi o cara do “eu avisei” sobre os horrores do nazismo). Nostradamus evidentemente fazia uso das artes divinatórias da Lamentabilidade em suas previsões do futuro.

O que essas pessoas não possuiam, em seu tempo, era a ferramenta de que hoje dispomos para calcular com precisão a Lamentabilidade de certos eventos: o Índice de Lamentabilidade (IdL). Antes da invenção deste poderoso algoritmo, o cálculo da Lamentabilidade era feito de forma intuitiva e era de cunho altamente introspectivo e particular; por isso foi comum atribuir o domínio deste conhecimento a personalidades notáveis da história, como os citados acima. PORÉM, hoje felizmente temos o cálculo de IdL, que democratizou o acesso da população a essa arte e ciência, cujos efeitos práticos podem ser comparados à invenção da imprensa e ao acesso do povo aos livros, outrora um tesouro de poucos.

Calculando o IdL

O IdL é um índice que vai de 0 (zero) a 1 (um). IdL zero significa: ótimos momentos, felicidade, desenvoltura e boas lembranças. IdL um significa: um dia para esquecer, na melhor das hipóteses. Para calcular o IdL e utilizá-lo como índice confiável de tomada de decisões, existe um procedimento simples. Como exemplo, vou utilizar um convite que eu recebi no ano passado: bora pro festival Mundo Imaginário, em São Thomé das Letras?!

Muito bem. Eu adoro São Thomé das Letras. Estive lá 6 vezes tanto com a cidade cheia, com a cidade vazia. Eu nunca participei (mentira, mas já faz tanto tempo) mas sei bem como funcionam esses festivais de música eletrônica no meio do mato. Então neste caso eu possuía um conhecimento razoável acerca do lugar. Quando você ignora completamente o seu destino, o cálculo do IdL adquire dimensões de improbabilidade maiores, mas que mesmo assim podem ser contornados por um hábil cientista das decisões cotidianas (o que talvez você ainda não seja). Vamos então para a primeira atividade do cálculo do IdL:

1. Elencando as condições do ambiente

Começamos com os possíveis aspectos negativos, já que se trata, acima de tudo, de calcular a LAMENTABILIDADE. Vamos dividi-los em tenso (peso 1), muito tenso (peso 2)ignorável (peso 0). Vale lembrar que são valores altamente pessoais e não-universais. O cálculo do IdL é uma das ciências da intimidade.

  • festival de música estilo rave non-stop: tenso
  • jovens de classe média-alta reunidos em grande quantidade (multidão muito doida): tenso
  • estilo neo-hippie-usuário-de-cocaína-e-ecstasy predominante no ambiente: muito tenso
  • previsão de tempo chuvoso para a data do evento: tenso (como poderemos ver adiante, subestimei esse fator quando fiz o cálculo há um ano atrás)

Em seguida, passamos a elencar os atenuantes, dividindo os itens em impossível (peso 0), provável (peso 1), improvável (peso 0,5):

  • conhecer alguém interessante, com possíveis intercursos afetivos: improvável
  • conhecer uma pessoa alucinada, com possíveis interações de cunho sexual sem compromissos: provável
  • possibilidade de fugir da festa e curtir a natureza sem ser incomodado: provável
  • descobrir que gosto de festas rave e encher o rabo de  ecstasy: impossível

2. Relacionando os valores obtidos

Temos então quatro itens negativos e quatro atenuantes, mas essa paridade não é obrigatória para o cálculo. A soma dos pesos negativos deu 5, enquanto a dos atenuantes deu 2,5. A soma dá 7,5.

Agora vamos dividir o índice máximo de IdL (1) pela soma dos pesos (7,5). O resultado aproximado é 0,13, o que chamaremos de unidade básica de Lamentabilidade (UBL).

Multiplicamos o UBL pelo peso negativo (5) para chegar ao Índice de Lamentabilidade aproximado: 0,66. Portanto, a chance da minha participação no evento Mundo Imaginário ser lamentável é de aproximadamente 66%.

3. Tomando decisões e encarando os fatos

Baseado nos índices extremamente confiáveis deste cálculo, eu resolvi me abster de participar do evento. “Nossa, você é um chato, pessimista”, uns poderiam dizer. Mas o fato é que, do jeito que as coisas aconteceram no referido evento, na verdade eu estava sendo extremamente otimista…

Na verdade eu descobri que estava sendo preconceituoso quando levantei os itens negativos da minha análise de Lamentabilidade. Se você visitar um website que estava anunciando o festival, vai ver que é um show de diversidade, ecletismo musical e pensamentos positivos! Um mundo maravilhoso!

Mas, se você ler o relato de uma das participantes do evento, vai ver que eu estava completamente enganado. Foi muito, mas muito pior do que poderia se supor. Desorganização, abandono do público, falta de estrutura, uma tempestade calamitosa (um raio matou um homem) foram ingredientes trágicos do evento, disparando o IdL ao nível máximo. Apesar de ser trágico, não há nada de absurdo em raios caindo em pessoas – é a natureza. Porém…

4. Quando o IdL supera seus próprios limites

O absurdo de uma situação decorrente de ação humana, de acordo com alguns estudiosos, pode fazer com que o IdL ultrapasse seu nível máximo. Nesses casos, há consequências graves para a integridade dos envolvidos. Sintomas envolvem: vergonha de pertencer à raça humana, desânimo profundo, confusão dos sentidos, andar em círculos repetindo “porque” e outros sintomas bizarros.

Pois bem, você está no festival Mundo Imaginário, uma tempestade arrasou tudo, não há comida, não há som, não há nada de bom para se fazer ali… Mas você resolve se juntar à multidão enfurecida e saquear um caminhão de cerveja, já que a lógica parece ser que um erro justifica outro erro e assim em diante. A Lamentabilidade já está próxima de seu valor máximo, talvez já até tenha o alcançado. Você acha que não dá pra piorar, e pelo menos vai beber uma cerveja quente decorrente do seu saque ao caminhão. No entanto, você não contava com…

O maluco da moto-serra manooo!!!

turbofacepalm

Um elemento bizarro e imprevisível como este fez o IdL chegar a inacreditáveis 1,87, de acordo com estudos publicados por cientistas de um importante laboratório fictício. O drástico aumento de nível teve início quando a rapaziada muito louca resolveu detonar o caminhão de cerveja, atingindo seu ápice com o surgimento de nosso Jason de Minas Gerais.

Eu nunca agradeci tanto na minha vida por ter feito um estudo prévio de Lamentabilidade. Isso prova a extrema utilidade e eficácia de nosso método, desenvolvido meticulosamente durante meses de consumo de substâncias suspeitas estudos e pesquisas de campo.

5. Abrindo exceções

Quantas vezes já estivemos diante de situações com IdL alto e nos arriscamos mesmo assim? As vezes, um atenuante ou ponto positivo podem ser suficientes para que, mesmo com a Lamentabilidade saltando aos olhos, a empreitada em questão seja feita. Por exemplo: te chamam para ir naquele local terrível com música péssima, mas uma pessoa em que você está “de olho” estará presente. Você deve então tornar-se um bastião do foco e do otimismo e seguir adiante, porque nem só de cálculos e probabilidades são feitas as coisas boas da vida.

Resumindo

O cálculo da Lamentabilidade não deve ser feito a esmo, sob o risco de tornar sua vida pouco prática e te tornar uma pessoa pessimista e exageradamente cautelosa. Pessoalmente, uso apenas quando me fazem convites suspeitos ou decido sair a noite em São José dos Campos, iniciativa que por si só já começa com um IdL de 0,5, em média.

Utilize com moderação este poderoso conhecimento que, se aplicado com sabedoria, irá lhe poupar de momentos lamentáveis e situações embaraçosas.

——–

Texto escrito por Rafael (dedos), Artista Visual (e cientista do inútil) – http://dedos.info

Curta minha página no Facebook – http://facebook.com/rafaeldedos – e acompanhe meu trabalho visual e literário.

Anúncios

, , , , , , , ,

  1. #1 by carolina on 2013/04/12 - 11:01 pm

    hahaha muito complexo, mas engraçado! e claro, de muito bom senso usar isso! eu sempre uso, mas o meu jeito é vago e intuitivo e como eu já sou naturalmente pessimista e uma tia velha, meu níveis de lamentabilidade são sempre altos

  2. #2 by Photography Books on 2014/01/07 - 6:17 am

    After exploring a few of the blog articles on your blog, I really like
    your way of blogging. I saved as a favorite it to my
    bookmark webpage list and will be checking back soon. Please visit my web site as well and
    tell me how you feel.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: